“Além de parceiro tecnológico e de disponibilizar as comunicações a cerca de seis mil pessoas inscritas neste evento - o que mostra o potencial e a capacidade da empresa neste tipo de iniciativas - estamos também a demonstrar aquilo que estamos a fazer em termos de inovação”, afirma o presidente executivo da PT, Paulo Neves.

Entre os projetos em exposição estão, por exemplo, a Máquina do Tempo, o GPON (ONT e OLT), o MEO GO e soluções M2M (Machine to Machine).

Além deste stand, PT esteve, também, representada noutros espaços, como, por exemplo, o expositor do consórcio europeu de apoio às startups e PME na adoção de modelos sustentáveis de cloud computing - o CloudCatalyst -, liderado pela Portugal Telecom.

As TIC e os desafios da indústria
O ICT 2015 incluiu uma conferência com diversos painéis temáticos. Filipa Fixe, da Direção de Produto e Pré-Venda, foi uma das oradoras convidadas a participar na sessão A strong ICT Industry for a strong Economy e falou sobre a forma como hoje “a sustentabilidade financeira, a transparência de informação e a proximidade com os consumidores e cidadãos são alavancadas na Mobilidade e nas Tecnologias de Informação”.

A par das tendências do setor, a responsável sublinhou que a tecnologia deve estar no core de qualquer negócio já que permite ganhos de eficiência e referiu um caso prático na área da saúde: a plataforma Medigraf.

A solução de telemedicina está a mudar a vida da população de São Tomé e Príncipe, onde existe escassez de profissionais de saúde. Ao permitir a realização de consultas médicas a distância, através de videoconferência, a solução levou a uma redução de 61 % das evacuações médicas de São Tomé e Príncipe para Portugal, entre 2009 e 2012.​

Inovação da PT 


40 mil metros de cablagem e 2200 pontos de rede
De 20 a 22 de outubro, a capital portuguesa transformou-se no polo Europeu de inovação em TIC. Um evento com esta dimensão exigiu um parceiro tecnológico de confiança. Essa confiança foi depositada na Portugal Telecom, responsável pela infraestrutura móvel e fixa que garantiu a total cobertura do evento e o acesso à internet aos cerca de 6 mil participantes, assim como os requisitos de rede necessários às conferências onde participaram mais de 100 oradores.

Durante a iniciativa da Comissão Europeia, promovida em conjunto com a Fundação para a Ciência e Tecnologia (FCT), foi disponibilizado o fornecimento gratuito de WiFi aos participantes e a garantia de cobertura total do evento. Para tal, foram disponibilizados 57 pontos de acesso para ligação WiFi e uma infraestrutura no Centro de Congressos de Lisboa, no Terreiro do Paço e na Cordoaria Nacional, com débitos de 500 Mbps.

Paralelamente, foi garantida uma rede local de fibra ótica, para suporte à transmissão via internet das várias conferências e demonstrações tecnológicas dos expositores, que exigiu a instalação de 2200 pontos de rede e 40 mil metros de cablagem específica, assegurando uma interligação de 10Gbps entre os equipamentos core e duas ligações de 10Gbps para garantia de ligação à Edurom – Rede Europeia de Educação.